HISTÓRIA

 O Castelo do Batel é uma relíquia arquitetônica que se impõe na mais nobre região de Curitiba. É um verdadeiro tesouro de uma época gloriosa, cenário de grandes festas e hóspedes ilustres. Concretização do sonho do cafeicultor Luiz Guimarães, inspirado nos castelos franceses da região do vale do Loire, na França. Sua construção iniciou-se no ano de 1924, com término em 1928. Segundo ele: "minhas frequentes viagens para a Europa desde 1912, avivaram a minha predileção latente por tudo que é belo. Isso me fez acalentar a ideia de algum dia possuir uma residência parecida com algumas das que entendeu com perfeição a minha aspiração: foi o meu amigo e inteligente arquiteto Eduardo Fernandes Chaves, quem projetou e dirigiu a construção daquela mansão que na época foi casa residencial-"sem paralelo no Brasil" - só algum tempo depois famílias poderosas do Rio, Recife e São Paulo realizaram construções grandiosas, mas nenhuma de estilo tão puro e aprimorado". 

Na época de Guimarães, frequentaram o Castelo, o Prefeito de Curitiba João Moreira Garcês; o jornalista Assis Chateaubriand que em uma vez que esteve visitando o Castelo levou consigo o ex-Ministro Italiano, conde Dino Grandi que participou da deposição de Benito Mussolini

 

Em 1947, o Castelo passou a ser residência da família do então governador do Estado do Paraná, Moysés Lupion. Neste período, o casal Hermínia e Moysés Lupion receberam nome ilustres como dos Presidentes da República sr Juscelino Kubitschek, sr Eurico Gaspar Dutra, sr Jânio Quadros e sr João Goulart. Personalidades como o Presidente de Portugal sr Francisco Craveirto Lopes e sua esposa sra Berta Craveiro Lopes; o vice- Presidente dos EUA sr Nelson Rockefeler e seu irmão o bancário sr. David Rockefeler;  a Princesa Yukiro e seu esposo o Príncipe Takahito Mikasa do Japão, ele irmão do Imperador Hirohito; o princípe Bernard da Holanda; o deputado federal da Alemanha sr Hermann Mathias Görgen; o Embaixador da Espanha Conde de Casa Rojas; o Embaixador da Itália Marquês Blasco Lanza D'Ajeta e sua esposa sra Carla D’Ajeta; entre tantos outros.  

Em 1950, a convite do governador Moysés Lupion, Miguel Bakun, considerado um dos maiores pintores do Paraná e muitas vezes chamado de Van Gogh paranaense, decora com pinturas o Salão dos Papagaios, no  ático e torreão do Castelo do Batel. Durante meses executa um excepcional trabalho de muralismo, cobrindo com pinturas uma área superior a 640m2. Em 31-01-1975, o Castelo do Batel foi tombado pelo patrimônio histórico do Estado do Paraná.  

​ 

Após oito décadas de sua concepção, restaurado e ampliado, o Castelo do Batel abriga agora um exuberante centro de eventos. O projeto recuperou a edificação original e deu origem a um palácio de vidro e metal de 1.200 m2.  

O minucioso restauro, aprovado pelo Patrimônio Histórico, reuniu o requinte da arquitetura e de importantes obras de arte a um impecável projeto que conta com o que há de mais moderno em estrutura para eventos sociais e empresariais. Construído com a mais alta tecnologia em isolamento termo-acústico, onde reúne os mais avan​çados materiais acústicos.